Com essa ação prepara-se o campo para a instalação do Conrerp7ª Região – Bahia e Sergipe.

Depois de 27 anos de espera, expectativas, desejo e muito trabalho, os Profissionais de Relações Públicas baianos realizam um sonho muito desejado.

Esse sonho nasceu em 07 de fevereiro de 1985, quando o Conrerp/3ª Região, com sede em Belo Horizonte, nomeou o Profissional Jorge Antônio de Faria como Delegado Regional com a função de aumentar o número de registrados no Estado da Bahia. Desde então, foram Delegados Regionais os profissionais Gícia Maria de Souza Mesquita (Conrerp/3ª 755) e Maurício Santa Fé Lins (Conrerp/3ª 1306).

Em 2002, as profissionais Amine Darzé (Conrerp/3ª 1456) e Ana Karla Melo (Conrerp/3ª 1457), fizeram a primeira solicitação formal ao Conferp para se instalar um Conselho Regional no Estado da Bahia. Naquela época, as duas profissionais trabalharam duramente para reunir as condições mínimas exigidas pelo Conferp para a instalação de um Conrerp. Não foi possível, mas o desejo e a luta permaneceram firmes e incontestes durante todo esse tempo.

Já em 1º de agosto de 2009, houve o primeiro passo concreto com a instalação da Delegacia Regional realizada pelo Conrerp3ª Região, graças à sensibilidade de seu presidente Valdeci Ferreira (Conrerp/3ª 2061). Com a instalação da delegacia, sob o comando do delegado nomeado, profissional Eliezer Cruz (Conrerp/3ª 1781), foram solidificadas as condições para a realização desse sonho. Foram vários anos de muito trabalho, organização, levantamentos e aproximações e a devida preparação para atingir as condições básicas que permitiriam a instalação do Conrerp Bahia.

Segundo portaria do Conferp, para instalar um Conrerp são necessários alcançar 200 profissionais registrados e ter quadro formado por uma assistente administrativa, um assessor jurídico, um assessor contábil, telefone, sede e instalações. No final do ano passado, a Delegacia já contava com a sede, o telefone, as instalações e 190 profissionais registrados na região. Faltando assim muito pouco para que os profissionais baianos atendessem as condições impostas pela portaria.

Em janeiro desse ano, aproveitando a ocasião da assinatura do protocolo com a Prefeitura de Salvador, o Conferp anunciou o seu desejo de instalar o Conrerp na Bahia e convocou os profissionais baianos a se mobilizarem em torno desse objetivo e sob o comando de Eliezer Cruz e Marcelo Gentil (Conrerp/3ª 1771) o grupo retomou sua força para viabilizar essas condições.

Ao mesmo tempo, observando o princípio do fortalecimento de relações públicas pela maior representação regional, o Conferp criou o primeiro movimento para reorganização territorial de representação, baixando a Resolução Normativa 75/12, que estabelece a divisão territorial dos Conselhos Regionais e aponta procedimentos para a instalação de Delegacias Federal e Regionais.

Para viabilizar a instalação do Conrerp de forma organizada e segura, o Conferp baixou a Portaria 123/12, que cria a Delegacia do Conselho Federal no Estado da Bahia – DCONFERP/BA, define o número de Profissionais de Relações Públicas para a composição de seu colegiado, determina suas obrigações e aponta os procedimentos e as rotinas operacionais para instalação do Conrerp7ª, que será formado inicialmente pelos estados da Bahia e Sergipe.

Com essa união, o novo Conrerp nascerá com quase 500 profissionais, ultrapassando muito as condições básicas de viabilidade necessária para sua instalação. Foram transferidos 486 profissionais registrados para a DCONFERP/BA, oriundos dos Conrerps 3ª e 5ª Regiões. Esse número poderá ser ainda muito maior após sua instalação, quando os demais profissionais, que ainda não se registraram, o fizerem. Estima-se que o Conrerp7ª poderá nascer com cerca de 600 profissionais registrados, mas isso dependerá da mobilização que fará a DCONFERP/BA.

Agora a DCONFERP/BA tem pela frente um período de organização e preparação, até porque, como 2012 é ano eleitoral, haverá também a necessidade de mobilização e formação de chapas para concorrerem ao primeiro mandato do Conrerp que nascerá a partir de janeiro próximo.

Para o colegiado da DCONFERP/BA foram indicados os seguintes profissionais:

Delegada:  Sheila Vasconcelos da Costa e Silva – Conrerp/3ª 1515

Secretária:  Danúbia Leal Lima – Conrerp/3ª 2383

Coordenadora do Serviço Permanente de Fiscalização – SPF:  Isabela Aragão Morais – Conrerp/3ª  2271

Conselheira:  Amine Regina Sampaio Darzé – Conrerp/3ª 1456

Conselheira:  Anne Elisabete da Silva Américo de Brito – Conrerp/3ª 1899

Conselheiro: Antonio José Queiróz de Mello – Conrerp/3ª 2412

Conselheira:  Cristiane Paula Tavares Costa – Conrerp/3ª 1530

Para exercer a fiscalização, o Conferp criou o Serviço Permanente de Fiscalização – SPF, que ficará a cargo da conselheira Isabela Aragão e tem como função implantar o sistema de fiscalização da delegacia dando-lhe a configuração para o seu eficaz funcionamento.

Antes da posse, o Conferp preparou um treinamento intensivo, que ficou a cargo do Secretário-Geral do Conferp, Jorge Eduardo Caixeta. Foram 12 horas de treinamento, envolvendo todos os procedimentos que a delegacia deverá adotar e as preparações para a coordenação do processo de eleições para o Conrerp7ª. Para isso, a Delegada Sheila Vasconcelos nomeou como Condutor Eleitoral o Profissional de Relações Públicas, Ricardo Caribé Cavalcante (Conrerp/3ª 1266).

Após o treinamento, foi realizada a solenidade oficial de posse, que ocorreu às 13h do dia 16 de julho de 2012, no endereço sede da Delegacia, no tradicional bairro do Rio Vermelho, em Salvador. Com a DCONFERP instalada, os profissionais da Bahia e Sergipe terão muito mais força e legitimidade para fortalecer a profissão em toda a região.

A Diretoria-Executiva do Conferp sente-se feliz e orgulhosa em tornar concreto o desejo e o sonho dos profissionais baianos e por que não dizer, de si própria e da Diretoria-Executiva do Conrerp3ª. O Conferp reconhece que esse resultado só foi possível graças ao empenho e à dedicação de profissionais que desejam verdadeiramente fortalecer e dar maior importância à atividade de Relações Públicas.

Por isso, não pode deixar de agradecer diretamente ao profissional Eliezer Cruz, que como delegado regional combateu o melhor combate e venceu todas as batalhas que o acompanharam durante os três anos que esteve à frente da Delegacia Regional do Conrerp3ª. Assim como, reconhecer o trabalho e apoio do secretário da delegacia regional, profissional Marcelo Gentil. E também agradecer o empenho da diretoria-executiva do Conrerp 3ª e de sua equipe, representada na pessoa do presidente Valdeci Ferreira, que não mediram esforços para facilitar e apoiar a construção desse caminho.

Mas não foram somente eles, muitos outros se engajaram durante o processo e tornaram possível a realização deste tão esperado e sonhado momento. Agradecemos a todos.

Agora é esperado e fundamental que muitos outros profissionais da Bahia e de Sergipe se engajem nesse processo, especialmente porque ainda há um trabalhoso caminho para sua concretização final. Parabéns a todos e viva o Conrerp7ª Região.

.

Ouça nos links abaixo os depoimentos da diretoria da DCONFERP/BA:

[soundcloud url=”http://api.soundcloud.com/tracks/54010547″ iframe=”true” /]

[soundcloud url=”http://api.soundcloud.com/tracks/54011453″ iframe=”true” /]

[soundcloud url=”http://api.soundcloud.com/tracks/54011697″ iframe=”true” /]

 


 

Depoimento de Jorge Caixêta (Conrerp/3ª 286):

“Participar da implantação da DCONFERP/BA foi momento de esfuziante entusiasmo. Redobrada alegria. Sensação de dever cumprido. Honrada a palavra empenhada. Esses os sentimentos que me assaltaram naquela tarde da segunda-feira, dia 16 de julho. Afinal de contas, desde 1985 estou diretamente envolvido na criação do Conrerp com sede em Salvador. Naquele distante 1985, era o secretário-geral do Conrerp/3ª Região, com sede em Belo Horizonte. Não concebia que a Bahia, mãe de todos nós, ficasse sob a dependência de outro Estado. Não me sentia bem, como secretário do Conrerp com sede em Minas Gerais, brincando de fiscalizar o exercício profissional em outros Estados. Ocorre que, justiça seja feita, a presidência do Conselho Federal do falecido Profissional Dante de Lima Vianna, havia colocado uma camisa de força em todos os Conselhos Regionais. O Presidente Dante Viana exerceu a Presidência do Conselho Federal, no período de 1978 a 1982, como o típico representante dos conceitos ditatoriais e que ainda hoje teimam em continuar em alguns bolsões de nossa profissão. Esses conceitos impunham a centralização do poder sob o argumento de que dividi-lo seria perder o controle.  Foram precisos inúmeros insucessos do Sistema Conferp para que chegássemos até aqui.  Desde a desastrada criação do Conselho Regional com sede em Belém, à imposição ao Conselho de Minas de uma base territorial que abrangia além dos quase 800 municípios mineiros à época, todas as Regiões Centro-Oeste e Norte do País, herança do período dantiniano; até à frustrada implantação do Conrerp com sede em Maceió, em 1998, para onde foram direcionados os Profissionais de Sergipe e Bahia, o Sistema Conferp muito sofreu. É importante ressaltar que Minas Gerais, que já havia sofrido o rigor do “braço forte do abuso do poder”, se rebelou e não permitiu que os autos dos processos dos registrados da Bahia fossem remetidos para Maceió. A Presidente Suely Murta, justiça lhe seja feita, afirmou à época: “os autos só saem de Minas sob mandado judicial ou para que seja instalado o Conrerp no Estado da Bahia. Bahia merece sediar um Conselho Regional”.  Na Presidência do Conrerp/3ª Região, 1986/1988, por delegação da Presidente do Conferp, Vera Giangrande, coube-me a tarefa transformar o entulho autoritário das normas draconianas que vigiam no Sistema, e que a saudosa Vera chamava de “cipoal de resoluções”, em normas procedimentais típicas de um regime democrático. Vera Giangrande nomeou-me o relator dessas novas normas. O resultado foi muito favorável ao Sistema: as 129 normas vigentes no Conferp foram resumidas em apenas 14.  Posteriormente, na secretaria-geral do Conferp, nos períodos de 1989/1991; 1995/1997; 2001/2003; 2004/2006 e de 2010 até a presente data, coube-me relatar os novos anseios da categoria frente aos tempos bicudos que todos nós vivenciamos de maneira tal que o Sistema possa crescer sem o voluntarismo de uns ou a tirania de outros.  O Conferp, ao estipular normas que só permitem a instalação de Conrerp a partir da eleição dos membros do Conselho Regional a ser instalado – pelo voto livre e soberano dos registrados na nova regional – retira de pessoas vocacionadas ao caudilhismo o poder centralizador de promover ações danosas para a categoria e para o mercado profissional. Assim, com a publicação da RN 75, de 19 de maio de 2012, o futuro Conrerp da 7ª Região nascerá predestinado a ser, quem sabe, o mais completo e eficiente membro do Sistema Conferp. Afinal de contas, ele nasce sem vícios. Vida longa à 7ª Região. De minha parte, estou muito feliz. Cumpri o compromisso que assumi comigo mesmo naquele distante ano de 1985.”

.

Depoimento de Marcelo Gentil:

“Depois de 12 anos de formado, acabo de ter uma das maiores alegrias da minha carreira como Profissional de Relações Públicas. Transformar o projeto ‘Conrerp Bahia’ em realidade é a maior prova de que ninguém consegue nada sozinho. Foram anos de luta de muitos profissionais especiais, pessoas que colocaram os interesses coletivos no primeiro plano, acreditando que só se constrói uma profissão forte através da convergência de propósitos e da representatividade, sobretudo a legitimada. A luta dos últimos anos foi árdua, e a dos próximos será ainda mais. No estado berço do Brasil, graças ao empenho dos profissionais baianos e de suas lideranças, o Conferp volta a crescer, ganhando a musculatura necessária para se fortalecer enquanto Sistema, garantindo, assim, uma representatividade mais sustentável para os próximos anos. Temos uma profissão sólida, mas uma categoria que talvez ainda não esteja unida o suficiente para garantir sua atuação no mercado, combatendo as tantas injustiças que acontecem com nossa profissão e que são amplamente percebidas e alardeadas por todos. Seguindo o conselho dado em 2009 pelo atual presidente do Conferp, profissionais baianos saíram da inércia e estão combatendo aquilo que Flávio Schmidt tão bem batizou de ‘síndrome da cadeira cativa’. É inegável que todo esse avanço para a Bahia só está sendo possível graças ao trabalho incansável de dois grandes profissionais das relações públicas brasileiras, Flávio Schimidt e Jorge Caixêta. A semente plantada ontem de forma coletiva, hoje germina. Para amanhã dar belos frutos.”

.

Clique na imagem abaixo para visualizar a galeria de fotos da Instalação da Delegacia do Conferp

[EasyGallery id=’dconferpba’]

.

Link dos documentos elaborados durante os trabalhos

 

 

 

.